Energia de base: mantenha-se aterrado!

Energia de base

Raízes firmes para crescer em direção à espiritualidade.
Essa é uma frase que me pôs em estado de profunda reflexão ao ouvi-la pela primeira vez. Volto a ela sempre que estou com a cabeça nas nuvens, como se fosse um cordão que me puxa de volta para a Terra e estabiliza meu voo.

A partir de então comecei a usar o óleo essencial de cedro-do-atlas para enraizar. Nas sinergias – misturas de óleos essenciais –, ele passou a ser uma das minhas bases favoritas! Outro óleo essencial que atua fornecendo base é o vetiver, um óleo extraído da raiz de um capim. Proporciona sensação de estrutura, fortalece o chakra básico*. Obviamente, que cada óleo essencial tem propriedades diferentes e essa escolha é bastante pessoal, então o que deixo aqui são dicas, impressões e experiências.

No caso do vetiver, ele é um óleo que tem uma potência mais fria, cheiro de terra (delícia!) e vai trazer maior conforto para as pessoas de natureza Pitta – quente. De qualquer forma é a primeira escolha para fortalecer a energia de base e quem sente frio pode acrescentar uma gotinha de laranja, que aquece e traz alegria. Nas situações em que se está ansioso, agitado ou mais tímido, um toque de ylang ylang, pode levá-lo à se relacionar com o outro de forma mais aberta, pois aproxima!

Já o cedro tem uma natureza mais meditativa, o relaciono à postura da montanha – Tadasana:  permanecer de pé, com a base firme e respirar com a atenção em todo o seu corpo. A montanha nos ensina que muitas vezes na vida precisamos apenas permanecer firmes e cientes do nosso centro, da nossa integridade. Os movimentos da vida, os problemas, simplesmente vão passar. O cedro traz essa força, essa estabilidade introspectiva que é perfeita para aquelas situações em que não temos nenhuma atitude a tomar, não vamos praticar qualquer ação, mas precisamos igualmente de raízes firmes. Minha sensação é de que ele aquece um pouco mais que o vetiver e, por essa razão, o utilizo mais para pacificar o dosha Vata*, dos que precisam aterrar, aquecer e acalmar a mente ao mesmo tempo.

Nossa energia de base está ligada ao Muladhara chakra – centro da raiz – um centro energético ligado ao elemento sutil Terra e à experiência de solidez, segurança e confiança na vida. Para ativar essa força de enraizamento –  que está ligada aos nossos pés, pernas e quadril – devemos buscar posturas que mantenham nossas pernas firmes e a sola dos pés conectada ao chão.

Uma prática do Ayurveda para pacificar o dosha Vata que também fortalece essa energia de base é esfregar óleo morno de gergelim na sola dos pés. Para ativar a energia complementar pingue uma gota de óleo morno no topo da cabeça, bem no centro (dá pra sentir um ponto sensível ao toque). Pela manhã, iniciamos na sola dos pés e depois o topo da cabeça, ativando! À noite, antes de dormir, o fluxo é contrário, do topo da cabeça para a sola dos pés, acalmando. Mantenha os pés aquecidos logo após o usar o óleo. Gosto de usar uma meia bem confortável, velhinha mesmo…

Alimentos de cor vermelha (pode ser a cor da casca, como a maçã, por exemplo) pela manhã também fortalecem o chakra básico, conforme descrito pelo Dr. Gabriel Cousens em seu livro Nutrição Espiritual e a Dieta do Arco Íris. As frutas são especialmente recomendadas na parte da manhã, para purificar o organismo. O Ayurveda recomenda que na primeira parte da manhã, quando é mais frio e úmido, a alimentação seja mais quente. É importante também não misturar frutas com outros alimentos. Faça escolhas de acordo com o clima, a capacidade de digestão e o calor interno do seu próprio corpo – somos seres únicos!

Algumas sugestões: para quem tem pouca fome e sente mais frio, a maçã cozida com canela vai ser leve e quente. Aqueles que sentem mais fome podem acrescentar um tomate picado ao pão, tapioca ou ovos. Frutas vermelhas secas, que podem ser servidas com granola, são uma boa opção para quem retém líquido. E ainda podemos simplesmente acrescentar um chá de frutas vermelhas ou de maçã à nossa primeira refeição do dia ou em um breve intervalo.

Importante também observar que atividades com excesso de estímulo, muito movimento ou excesso de expressão, como falar demais, atuam no sentido oposto, dispersando a nossa energia de base e nos levando a perder o enraizamento. Inclua na sua vida a auto-observação, busque entender como essas energias se complementam e se relacionam. Observe sua rotina, seu ritmo, seu próprio movimento e seus objetivos.

Reserve alguns instantes de silêncio, sente-se confortavelmente, observe seu corpo e sua respiração. Esteja consigo mesmo! Depois se permita uma breve reflexão, sem compromisso, deixando que as palavras simplesmente cheguem. O que te define? (quem sou eu?) Quais são seus valores? Quais são seus sonhos? (o que eu quero?).

Estas são pequenas dicas práticas que podem servir em algum momento. Coisas que você pode incluir suavemente no seu dia a dia ou utilizar apenas nos momentos que sentir necessidade. É um compartilhar de experiências, de leituras, por um olhar holístico, aquela visão do conjunto, do todo.

Namastê!

Aline Reipert

Terapeuta holística com formação em Ayurveda, Yoga e Aromaterapia.

DSC_0075

“O sistema chakra é um sistema de energia sutil descrito ao longo de milhares de anos por diversas tradições espirituais.” (Cousens, Gabriel)

“O primeiro chakra é conhecido como chakra da sobrevivência. Quando adormecido, é governado pela falsa noção de estamos separados da natureza e precisamos conquistá-la em prol da nossa segurança e sobrevivência.” (Cousens, Gabriel)

“O Ayurveda se baseia em uma teoria de que há três forças fundamentais, chamadas doshas em sânscrito, por trás tanto da saúde quanto da doença – conceito semelhante ao dos humores biológicos da antiga medicina grega.” (Frawley, David)

“O vata, que significa literalmente  ‘vento’, consiste dos elementos ar e éter. O pitta, que significa ‘aquilo que cozinha’, consiste dos elementos fogo e água. O kapha, que significa ‘aquilo que mantém a integridade’ consiste dos elementos água e terra.” (Frawley, David)

O dosha Vata está relacionado ao frio e à secura; o dosha Pitta ao calor e à umidade; o dosha Kapha ao frio e à umidade.

Referências

TEXIER, Martine; VICENT, Philippe. Yoga, mudras e chakras: os movimentos da energia vital.Tradução Rosane Albert. São Paulo: Pensamento, 2009.

 

COUSENS, Gabriel. Nutrição espiritual e a dieta do arco-íris. Tradução Marcele Pettengil.  Rio de Janeiro: Nova Era, 2008.

 

FRAWLEY, David. Neti: segredos terapêuticos do yoga e do Ayurveda. Tradução Paulo Salles. São Paulo: Pensamento, 2006.

Revisão e copidesque: Janice Brito Mansur